O HOMEM QUE AMAVA CAIXAS

  1. De Stephen Michael King
    Direção Gustavo Bicalho e Henrique Gonçalves

    8 e 9/FEV
    às 16h

    ENTRADA FRANCA
    Os ingressos são distribuídos com 30 min de antecedência.

    ITAÚ CULTURAL
    Av. Paulista, 149 | Infos (11) 2168-1777
    Intérpretes de libras em todas as sessões.

    FICHA TÉCNICA
    Autor – Stephen Michael King
    Direção – Gustavo Bicalho e Henrique Gonçalves
    Desenho de luz – Jorginho de Carvalho
    Musical original e desenho de som – Daniel Belquer
    Preparação vocal – Débora Garcia
    Cenário e adereços de cena – Karlla de Luca
    Figurinos e adereços – Fernanda Sabino e Henrique Gonçalves
    Máscaras – Marise Nogueira
    Bonecos – Alexandre Guimarães e Marcos Nicolaiewsky
    Direção de movimento dos bonecos
    e preparação dos atores – Márcio Nascimento
    Preparação corporal e assessoria técnica
    em uso de máscaras – Marise Nogueira
    Identidade gráfica e programação visual – Maurício Grecco
    Fotos – Jackeline Nigri
    Assistente de iluminação – Poliana Pinheiro
    Operador de luz – Rodrigo Belay
    Operador de som – Alexandre Guimarães
    Produção – Marta Paiva
    Direção de produção – Henrique Gonçalves
    Realização – Artesanal Cia. de Teatro / 2011

    ELENCO
    Bruno Oliveira
    Márcio Nascimento
    Marise Nogueira

    Duração: 45 minutos
    Classificação indicativa: Livre

Embalada por uma trilha minimalista, especialmente composta para a peça e cantada ao vivo pelo atores, o espetáculo O Homem que Amava Caixas surge das imagens construídas pelo jogo cênico, cujo aspecto lúdico propõe alcançar a “poesia visual” do livro homônimo, do autor Stephen Michael King.

Mais do que uma simples adaptação do livro, a peça, dirigida por Gustavo Bicalho e Henrique Gonçalves, é uma incursão no universo imagético e literário do autor, sendo pensada dentro de uma convergência de linguagens que mistura atores, bonecos, máscaras e canto em um espetáculo de alto impacto visual e emocional.

O cenário é composto de caixas que se transformam em casa, montanha, castelo e aviões a partir da manipulação direta dos atores, que contracenam com objetos e bonecos.

O Homem que Amava Caixas foi indicado ao Prêmio Zilka Sallaberry de Teatro nas categorias Melhor Espetáculo, Melhor Direção, Melhor Atriz, Melhor Cenário, Melhor Figurino e Melhor Iluminação, tendo ganhado nas categorias Melhor Cenário e Melhor Iluminação. O espetáculo comemorou os 16 anos da Artesanal Cia. de Teatro, reconhecida por suas produções para o público infanto-juvenil.